Seychelles
  • Seychelles III

    Ouça, Baixe e Compre


     ---- sey.art.br ----

  • Vídeos Clássicos

  • Liberdade

    imagem2.jpg imagem3.jpg imagem4.jpg imagem5.jpg imagem6.jpg imagem7.jpg imagem8.jpg imagem9.jpg imagem10.jpg imagem11.jpg imagem12.jpg imagem13.jpg imagem14.jpg imagem15.jpg imagem16.jpg imagem17.jpg imagem18.jpg
  • art

  • Release

    Seychelles

    Seychelles

    Seychelles III consegue condensar o espírito inquieto e a constante busca por melodias intrigantes, riffs certeiros e versos bem amarrados que caracterizam o quarteto paulistano.

    O álbum, que marca os 10 anos do Seychelles, revela a evolução musical do grupo e abre espaço para algumas participações especiais que fazem parte de sua história. Edgard Scandurra canta e toca guitarra na faixa “Amigo Impulsivo”; Monique Maion faz backing vocals em “Filhinho do Papai” e divide a autoria da letra de “Ghosts are Gone”; essa última também conta com a participação de André Frateschi na percussão.

    A gravação e produção foi realizada ao longo dos 3 últimos anos e passou por 7 estúdios diferentes, em um processo de lapidação constante. É um disco que soa como deve.

    Seychelles III é também o primeiro produzido integralmente pela banda. O baixista Renato Cortez assina a produção e mixagem. A masterização fica a cargo de Arthur Joly (Reco Head).

    Ao vivo a banda conta com Nevilton nas guitarras e backing vocals e Renato Spinosa nos teclados e backing vocals.

    Produzido e mixado por Renato Cortez
    Masterizado por Arthur Joly
    Capa, encarte e concepção gráfica: Alex Senna

    Produção

    LETÍCIA MARQUES
    (11) 98202-6866
    [email protected]

    www.sey.art.br

    
Por Edgard Scandurra (Ira!)

    Já faz muito tempo que venho sonhando com o surgimento de uma banda que não trouxesse em seus planos a mediocridade apelativa na busca pelo sucesso fácil. Acho que meu sonho se realizou...

Não vejo no Seychelles, de jeito nenhum, as famigeradas mãozinhas para cima, os gritos de "aí, gente!" e outras atitudes que me afastam cada vez mais do que as rádios insistem em chamar de pop-rock. Ao ouvir o álbum NANANENEN, um público com certa inteligência e inapto às armadilhas populistas (que reúnem rock, axé, pagode e sertanejo no mesmo saco de gatos, feitos sob encomenda aos jabás, shows de rádio e especiais de TV) descobrirá uma intensa fonte de criatividade e personalidade.

Logo na primeira faixa, "Funcionário Padrão", ouvimos um ótimo rock com belos overdrives da guitarra perfeita, mas nunca exibicionista, de Fernando Coelho, a voz de Gustavo Garde com um delicioso sotaque paulistano a lá anos 70 e afinação perfeita, o baixo extremamente atuante, autêntico e corajoso de Renato Cortez e a bateria de Paulo Chapolin, que às vezes simplesmente conduz, mas às vezes também se expressa como um instrumento de frente, como se os tambores cantassem ou solassem.
 
Todos esses elementos estão integrados a partir de um sutil senso de humor e uma narrativa apurada. Em sua composição "No caminho de Shangri-la", Gustavo cria uma interessante harmonia entre rock e língua portuguesa, tarefa nada fácil. As letras também chamam a atenção – que bom uma banda de jovens nos levar ao dicionário para descobrir o significado de palavras como tégula, diáspora e outras.

Já a canção "Poperô ", pulsante em um belíssimo 4x4, mostra o que a música eletrônica trouxe de volta ao rock: a característica de ser dançante. Aqui, o baixo passeia como um sintetizador subvertendo as intenções. É um dos momentos do disco em que a música realmente "dá barato".

Para finalizar, amarrando todas as outras faixas, o Seychelles traz em nananenen algo de retrô, quase inconsciente, que ajuda a manter acesa a chama metropolitana, urbana e underground do rock.


    ***
    
Por Luiz Thunderbird (Devotos de N.S. Aparecida)
    Toda semana conheço algumas dezenas de novos grupos musicais. Algumas são dignas de nota, outras apenas reproduzem padrões consagrados. Algumas são desprezíveis, chatas, pretensiosas, tediosas. Mas consigo encontrar muita coisa boa. Isso acontece nos festivais dos quais participo. Ou nos clubes de rock da cidade.
    Quando chegou nas minhas mãos o EP de estréia e o primeiro álbum da banda Seychelles, tomei um susto. Percebi uma diferença no som, nos arranjos, no nível técnico dos músicos da banda. Desconfiado, esperei uma oportunidade de conferir o desempenho da banda ao vivo. E foi num festival que pude constatar que a banda era mais que uma produção de estúdio. Num formato clássico com vocal+guitarra+baixo+bateria, os caras ganharam meu voto de melhor apresentação do evento. Mas podia ser o momento, o clima, a comparação com outras bandas que havia assistido naquele dia.
    Então, veio a segunda mostra da capacidade de reproduzir seu repertório, num clube menor do circuito paulistano de rock. Foi ali que tive a certeza de que Seychelles é uma banda diferenciada. Se destaca por trazer algo novo aos ouvidos, com competência e criatividade. Esse segundo disco vem pra colocar à prova a vitalidade do grupo. A vontade de continuar surpreendendo, comovendo pela textura do som, pela poesia, pela execução de seus músicos. E pela vontade de apresentar algo diferente. Isso já bastaria pra me convencer de que essa é mais uma banda interessante pro meu hall de “escolhidos”. Mas eles vão além da expectativa. Ainda bem. Vida longa ao Seychelles.
    ***
    
Por Clemente Nascimento (Plebe Rude e Inocentes)
    
Mais do mesmo. Isso poderia soar pejorativo pra qualquer outra banda, mas no caso do Seychelles é um elogio. Quer dizer que a banda mantém seu caminho de estar à procura de novos caminhos dentro da música, ou seja, eles estão de novo experimentando e buscando e o resultado sempre é diferente. Melodias intrigantes, arranjos bem amarrados e boas letras. É uma história que continua sendo escrita e nunca se sabe o final. É como ir numa montanha-russa em um parque de diversões: você sabe todas as curvas que ela tem, mas sempre toma susto.

    ***

    As músicas do Seychelles são um tanto diferentes de canções comuns: elas têm cor. Nananenen é como uma grande nuvem cinza, uma tempestade que se prepara para chover em cima de uma cidade enorme, barulhenta e cheia de pessoas e luzes. Uma cidade chamada São Paulo.

    O quarteto paulistano consegue, neste segundo trabalho, criar uma espécie de crônica musical urbana, aliando elementos sonoros eletrônicos (barulhinhos de computador estão por todo o disco) a um conceito estético que brinca com discrepâncias. O nome e o encarte do álbum lidam com o universo infantil, dos contos de fadas, entretanto, as faixas estão repletas de referências adultas e da crueza do rock feito na metrópole.

    Por trás dessa coloração de cimento e argamassa, flui um inteligente humor, afiado e crítico, retrato do comportamento de uma geração ansiosa e cosmopolita, que confronta extremos: bem X mal, integridade X degradação, politização X alienação.

    Produzido novamente por Fabio Pinczowski (responsável também pela produção de álbuns do Ludov e Mamma Cadela), e gravado entre abril e dezembro de 2007, o disco traz detalhes que o ouvinte mais atento entenderá como uma linha narrativa única, do começo ao fim, onde todas as músicas se entrelaçam.

    Entre tantos sucessos fáceis e fórmulas repetidas, topar com o trabalho dos Seychelles é como achar um tesouro escondido em uma rua de curvas sinuosas, enquanto a fina garoa cai.

    TODOS OS CDs ESTÃO DISPONÍVEIS PARA DOWNLOAD GRATUITO
    SEY.ART.BR

    Integrantes:
    Renato Cortez - baixo
    Fernando Coelho - guitarra
    Paulo Chapolin Rocha - bateria
    Gustavo Garde - voz e violão
    Nevilton - guitarra (convidado)
    Renato Spinosa- teclado e voz (convidado)

    Downloads: Mapa do Palco Rider

    Telefone: 11 36673003
    E-mail: [email protected]

    Origem: São Paulo - sp (Brasil)

    Residência: São Paulo - sp (Brasil)

    Estilo
    Art-Rock

    Redes Sociais

  • Clipe Novo!!!! Salvem as Crianças

  • Músicas

  • Fotos

    DSC_0115.jpg capa_nanaweb_450pixels.jpg sey_por_habacuquelima.jpg capaninfa.jpg coei.jpg gugao.jpg ch.jpg arg.jpg dsc00917.JPG
  • arte na rua

    imagem1.png imagem2.png imagem3.png imagem4.png imagem5.png imagem6.png imagem7.png imagem8.png imagem9.png imagem10.png imagem12.png
  • Vídeo Vertical

  • Deixe sua mensagem

      Seja o primeiro a deixar uma mensagem
    Carregando
  • Informações da banda

    Redes Sociais

  • Eventos TNB

    1009957_482375095206544_1966853539_n-1-52e54cc938f86.png

    Grito Rock Mundo Guaíra SP 2014

    • Data do evento: 29/03/2014 - 30/03/2014
    • Inscrições encerradas
    • Local: Guaíra - SP, Brasil
    canja_avatar.jpg

    Festival Canja

    • Data do evento: 10/06/2011 - 12/06/2011
    • Inscrições encerradas
    • Local: Bauru - SP, Brasil
    avatar01-150x150.jpg

    Compacto.REC – Edição Especial FUNARTE

    • Data do evento: 05/06/2011 - 05/07/2011
    • Inscrições encerradas
    • Local: Brasil
    noiteFDEsaoleo.jpg

    Noite Fora do Eixo – SÃO LEOPOLDO/RS

    • Data do evento: 03/06/2011
    • Inscrições encerradas
    • Local: São Leopoldo - RS, Brasil
    Noite FDE POA logo.png

    Noite Fora do Eixo Porto Alegre – Junho 2011

    • Data do evento: 02/06/2011 - 03/06/2011
    • Inscrições encerradas
    • Local: Porto Alegre - RS, Brasil